Chesterton.AGORA

Chesterton.NU é um website de editora City on a Mountain para tornar G.K. Chesterton mais conhecido no mundo de língua holandesa. 

Gilbert Keith Chesterton viveu em Londres de 1874 a 1936 e foi um homem de letras e jornalista. Um grande e criativo pensador que gostava de debater os seus oponentes em palavras e escrita. Com humor, auto-engano e paradoxos, ganhou grande popularidade, mas também numerosos inimigos. As suas obras mais conhecidas são Ortodoxia (1908), O Homem Eterno (1925) e as pequenas histórias de detectives Padre Brown.

Chesterton tem um estilo de escrita marcante e infeccioso, com muito humor, esperteza e senso comum. Não é por nada que ele é frequentemente chamado "o Apóstolo do Senso Comum" e "o Príncipe do Paradoxo". Escreveu uma prosa casual e espirituosa que estava repleta de formulações espantosas, como por exemplo: "Os ladrões respeitam a propriedade privada. Eles só querem fazer da propriedade privada a sua própria propriedade privada para a poderem respeitar ainda mais".

No processo, a sua escrita permanece surpreendentemente actual, o que significa que Chesterton ainda hoje é lido. Muitos grandes escritores citam Chesterton como exemplo, incluindo: J.R.R. Tolkien, C.S. Lewis, Jorge Luis Borges. Líderes religiosos como Dorothy Day, o Papa João Paulo I e até Mahatma Gandhi também o citam como uma inspiração. Após a sua conversão, contudo, tornar-se-ia um ardente defensor da fé e da Igreja (católica romana), especialmente face aos preconceitos liberais, laicos e protestantes.

Livros

O Homem Eterno

Em 1925, G.K. Chesterton publicou o seu livro The Everlasting Man. Um dos clássicos absolutos da apologética cristã. Os temas principais do livro são de actualidade permanente: religião versus ciência, racionalismo e ateísmo, fé e superstição. É mais que tempo para uma tradução neerlandesa que está amplamente disponível. A tradução é de Anton de Wit e Geert Peeters.

#Chesterton
Erwin de Ruiter

Waarom komt u ons hinderen – deel 2

Een bijdrage van: Willem Jan Otten Chesterton wil vinden, niet construeren. Hij stuit op onloochenbaar besef, niet op bewijsbare stellingen. Het ‘wie wat vindt heeft slecht gezocht’, dat Nederlandse literatoren in diepzinnig poëzieboeddhisme doet vervallen, zou hem tot een grinnikend alineaatje hebben aangezet. Hij was een vinder, die bleef zoeken naar

Leia mais "
Anton de Wit
Erwin de Ruiter

Waar zou ik moeten zijn?

Een bijdrage van: Anton de Wit ‘Where ought I to be?’ Het verhaal van het telegram dat G.K. Chesterton ooit aan zijn vrouw gestuurd zou hebben, heeft alles van een legende. Een mythe. Een ‘broodje aap verhaal’. Zo vaak naverteld, van horen zeggen. Met verschillende accenten, verschillende details, naar eigen smaak ingekleurd. Toch bezweert

Leia mais "
pt_PTPortuguês

Subscrever a newsletter

E receba os últimos posts, publicações, actualizações e descontos!

Cidade Editora na Montanha | Zin Vol Zin | Chesterton.NOW | Officer.blog | Mama vai para ficar